Category: Planejamento

Fazer aquilo que AMA ou AMAR aquilo que faz?

AMAR aquilo que faz!

AMAR aquilo que faz!

Leio muitos textos e livros de gurus e especialistas de RH, psicólogos, Headhunters, etc. e é quase unanimidade entre esses especialistas que para atingir a felicidade no campo profissional, tem-se que trabalhar com aquilo que AMA fazer.

Andei me questionando sobre isso!

Será mesmo?

Comecei a observar as pessoas e as coisas comuns à minha volta e…mais questionamentos!

Comecei a me perguntar coisas como:

Fazer aquilo que AMA ou AMAR aquilo que faz?

Será que as mães AMAM limpar banheiro, lavar roupa suja, lavar uma pia cheia de louça?

Será que os garis AMAM de verdade correr em média 30Km por dia, recolhendo lixo e correndo riscos de contaminação de toda espécie?

Será mesmo que aqueles que se dedicam a cuidar de pessoas nas ruas, por vezes correndo perigo de vida, realmente AMAM estar por ai na madrugada, por vezes passando muito frio, vendo o sofrimento dos outros, quando podiam estar com a família, no conforto de suas casas?

Acho que acredito mais que essas pessoas devem AMAR aquilo que fazem, independente de isso ser aquilo que elas AMAM fazer!

Nós sabemos perfeitamente, sem que ninguém nos diga, quando foi a mãe ou esposa que limpou a casa ou arrumou a roupa no guarda roupa e quando foi outra pessoa.

Isso significa:

AMAR aquilo que faz!

Acredito que os atletas, como os jogadores de futebol por exemplo, AMAM jogar bola, aquele momento que estão em campo, com a torcida gritando, deve ser emocionante, mas, duvido que eles amem o PROCESSO para estar ali. Treinar todos os dias, ter o sono regrado e controlado, alimentação regrada e controlada, os finais de semana longe da família, as críticas da imprensa e da torcida, etc….

A meu ver, só alcançam a glória aqueles que fazem toda a parte ruim com MUITO AMOR, se aperfeiçoam e ai sim, podem curtir o momento de glória, quando estão dentro de campo, colhendo os frutos de todos os momentos dos quais não gostaram, mas fizeram assim mesmo.

E sabem que gostando ou não, tem que fazer bem feito, dar o seu melhor, se quiserem estar em campo com os demais.

AMAR aquilo que faz!

Tem uma das frases do Muhammad Ali que gosto muito, que diz o seguinte:

“Odiei cada segundo de treino, mas disse a mim mesmo: Não desista! Sofra agora e viva o resto da vida como campeão”

Pra mim está claro que ele “AMAVA” o momento de estar no ringue, disputando um cinturão, com o mundo todo olhando e com todas as expectativas sobre ele, mas….ele simplesmente ODIAVA o processo para chegar ali.

Não tinha outro jeito e ele sabia disso!

Para estar onde ele AMAVA e fazendo aquilo que AMAVA (Disputar Títulos), ele precisava colocar AMOR no resto do processo.

Quando falo aqui de colocar AMOR, não estou falando só de sentimento. Estou falando de mostrar vontade, de colocar a mente, o coração e o corpo naquilo que se está fazendo.

Só assim temos chance de dar o nosso melhor!

As vezes acho que as pessoas simplesmente “passam” pela vida porque estão esperando encontrara aquilo que AMAM fazer para dar o seu melhor. E como nunca encontram, vivem frustradas, achando que o mundo é injusto, que a vida é injusta, etc.

Acredito realmente que as pessoas que alcançam sucesso na vida, traçam um objetivo e colocam tudo nisso: AMOR, CORAÇÃO, CORPO, as ENTRANHAS se for preciso, até atingirem seu objetivo.

Esse é o segredo:

AMAR aquilo que faz!

Cristiano Ronaldo, um dos melhores jogadores do mundo na atualidade, ano passado disse a seguinte frase:

“Quando eu me aposentar, vou viver como um REI! Até lá, sou um atleta!”

Fantástico não?

Sabe porque ele fala isso?

Simples, ele se cuida mais do que a maioria dos atletas de alto nível. Mesmo quando sai de férias, ele leva um nutricionista e um preparador físico com ele. Por isso, está sempre em excelente forma. Dizem os especialistas que ele pode jogar em altíssimo nível até os 37, 38 anos de idade.

Isso é fenomenal!

Acredito que aqueles que colocam AMOR NO QUE FAZEM, quando menos esperam, quase sem perceber, se encontram fazendo AQUILO QUE AMAM!

Dá uma olhada nesse vídeo que gravei sobre o tema também…

https://youtu.be/1-8-0NrFIs8

Um abraço e até o próximo post.

Sobre a MINHA zona de conforto…

Você sabe identificar a sua ZONA de Conforto?

Será?

Vou te contar aqui um pouco de como identifiquei a minha…

Tenho consciência de que desperdicei um tempo precioso da minha vida, zapeando em canais de TV, tentando entorpecer a mente, consumindo conteúdo irrelevante, que não me adicionaram nenhum valor.

Desperdicei tempo precioso da minha vida, vendo “POSTS” do cotidiano dos outros, lendo matérias sem sentido em sites e revistas, assistindo a vídeos que embora não tenham nenhum sentido, parecem engraçados e te fazem rir.

Eu sei disso, porque por diversas vezes, me peguei justificando pra mim mesmo:

Eu mereço!

Afinal, preciso descansar a mente. Já trabalho muito. Preciso de alguns momentos de lazer!

Traz certo alivio, quando nos falamos isso, não é verdade?

Pois é…, mas…

Em algum momento, parei alguns segundos e comecei a olhar à minha volta, simplesmente observar!

Você já teve aquela sensação de que tudo anda à sua volta, o mundo se movimenta, o tempo se move, as pessoas se movem e você tem a sensação de estar parado?

Como se tivesse “Brizando”?

Pois é… quando tive esse “clique”, comecei a me questionar. Via alguns dos meus amigos anos luz à minha frente em termos de aprendizado, de educação, de viajar e conhecer outros países, buscar especialização em diferentes áreas, etc.

Me senti pequeno. Muito pequeno!

Corri atrás!

Comecei a perceber à minha volta, alguns poucos entre a multidão, que costumavam falar sozinhos, como se tivessem conversando com alguém, algum ser superior, que sorriam também sozinhos, as vezes no meio da multidão, mas um sorriso que parecia de satisfação, de redenção, de quem sabe que deu um passo a mais e principalmente, um passo diferente do que se costuma dar e descobriu que um outro caminho se abriu.

Gente a quem os demais, a multidão, costumam chamar de loucos, que parecem não cansar, que tem uma energia quase infinita, que buscam incessantemente e insanamente dar um passo a mais e mudar de nível.

Comecei a segui-los!

Comecei a observar que tipo de caminho eles costumavam seguir, o que costumavam consumir, como alimentavam as suas mentes, de onde buscavam essa energia encantadora. Comecei a observar a minha forma de pensar, de ver as coisas, o mundo e percebi que isso eu podia mudar, que poderia mudar minha perspectiva de vida e com isso mudar a minha vida, o meu mundo, o mundo à minha volta.

Zona de Conforto!

Comecei a ler, mas dessa vez conteúdo que me adicionasse algum tipo de valor, que me permitisse aprender.

Continuei assistindo a videos, mas dessa vez, procurei filtrar o tipo de conteúdo que queria consumir.

Deixei de ouvir rádio e comecei a ouvir podcasts de motivação, de negócios, de liderança, etc., todos os dias no meu trajeto de casa para o trabalho.

Comecei a ler 1 livro por mês, depois passei a ler 2, procurar e ler artigos na Internet que me trouxessem efetivamente informação que adicionasse algum valor na minha vida, etc.

De repente me peguei escrevendo e criei esse blog!

Passei a procurar, pesquisar canais no Youtube que me trouxessem conteúdo relevante, que me levassem a entender algumas coisas que eu não entendia, ou pelo menos a pensar nelas.

Comecei a assinar alguns canais e ver conteúdo relevante pelo menos 1 vez por dia. Algumas vezes, copiava o conteúdo no celular e via no carro, no trajeto de volta para casa.

Quase sempre, conteúdo em inglês, assim eu podia trabalhar 2 coisas ao mesmo tempo:

Melhorar minha compreensão de alguns assuntos e ainda melhorar meu inglês.

Comecei a gravar vídeos!

Criei meu próprio canal!

Comecei a sair da minha ZONA de CONFORTO!

Logo, logo eu também estava rindo e falando sozinho, muitas vezes travando longas conversas comigo mesmo e de repente passei a rir mais, porque me identifiquei com aqueles malucos, que citei anteriormente.

Identifique você também e SAIA da sua zona de conforto.

VOCÊ e somente VOCÊ pode transformar a sua vida!

Abraços e até o próximo post!

Qual o tamanho REAL dos seus PROBLEMAS?

Qual o tamanho REAL dos seus problemas?

Qual o tamanho REAL dos seus problemas?

Essa é uma pergunta que me faço com frequência.

Será que estou dando a dimensão correta, o tamanho real aos meus problemas?

As vezes pegamos pequenos fatos, acontecimentos do dia a dia, como um olhar, uma frase dita de uma maneira mais rude, uma palavra pronunciada de uma forma mais grosseira e já colocamos uma enorme carga de emoções negativas em cima disso, ficamos magoados, tristes, afetando nosso dia e o das pessoas à nossa volta.

Por vezes, pegamos um fato absolutamente simples e corriqueiro e o transformamos em PROBLEMA.

Ninguém está imune a isso!

Uma vez que somos humanos e de vez em quando estamos com as “defesas” em baixa, com baixa maturidade emocional e isso nos atinge em cheio.

Não estamos imunes, mas podemos trabalhar, tanto a inteligência intelectual quanto a emocional, para que possamos tratar melhor isso.

Na verdade, devemos tratar de forma que possamos escolher se isso nos afeta, como e quando.

NÃO dê esse PODER aos OUTROS!

Esse é um poder só SEU!

E, nesse caso, dê a esse poder o tamanho real e não ao seu suposto problema.

Não é fácil, mas acredite, não só é possível, como é absolutamente compensador.

Tem 2 frases, atribuídas a um pastor americano que gosto muito de lembrar sempre que me surge um problema:

1 – Se você tem algum problema que o homem ou o dinheiro podem resolver, você não tem nenhum problema.
2 – Se o seu problema não tem solução, então não é um problema. Você não precisa se preocupar.

PROBLEMA, presume-se algo a ser resolvido.

Muitos especialistas em neurolinguística falam que o problema em si só se torna um problema, dependendo da importância que você dá para ele.

As vezes, tenho a sensação de que algumas pessoas à minha volta, literalmente se “apegam” aos seus problemas, como se tivessem um “caso de amor”, como se estivessem “In love” com eles.

Além de não resolver, sempre que tem oportunidade, ficam revivendo, relembrando, contando novamente para qualquer pessoa que esteja disposta a ouvir suas mazelas, numa espécie de autoflagelo, auto piedade, esperando pelos afagos e pela piedade dos outros.

Problemas existem para todos e tem que ser resolvidos, senão vão consumindo energia, vida, vitalidade.

Desapegue!

Resolva seus problemas, TERMINE de uma vez por todas seu caso de amor por eles.

Preste bastante atenção no tamanho e na importância que você tem atribuído à esses pequenos fatos, pequenas coisas cotidianas e se você não está efetivamente tornando-os, problemas.

É importante desenvolver a inteligência emocional e a maturidade necessárias para que você possa escolher o que pode lhe afetar, quando e como.

Não dê esse poder aos outros. Esse poder é seu!

Se você tem realmente um problema e acha que o fardo está grande, pesado demais, utilize uma técnica muito utilizada na gestão de projetos:

Fatie o problema em problemas menores, mais fáceis de resolver e vá trabalhando em cada um dos pontos separadamente até finalizar.

Dessa forma, você vai alcançando pequenas vitórias, se fortalecendo emocionalmente, verá o seu problema diminuir de tamanho/importância e quando menos esperar, ele está resolvido.

Então, na sequência, minhas dicas para você são:

1 – Não dê aos outros o poder de atingi-lo, afetá-lo emocionalmente. Desenvolva inteligência/maturidade emocional para escolher o que pode te afetar.

2 – Termine de uma vez o caso de amor com seus problemas. Resolva-os!

3 – Se seu problema realmente existe e é grande, fatie-o em problemas menores que ficará mais fácil de ter uma visão do todo e resolver, ok?

Dá um pouquinho de trabalho, leva tempo, mas posso te garantir que vai valer a pena.

Com isso, você terá uma vida mais feliz e saudável.

Um abraço e até o próximo post.

Foco, disciplina e a diferença entre sonho, objetivo e meta

Foco, disciplina e a diferença entre sonho, objetivo e meta.

Ter um objetivo e foco, é fundamental para sua energia e entusiasmo

Existem 3 pontos básicos, que considero fundamentais para que possamos atingir resultados, cumprir metas e realizar sonhos em quaisquer áreas de nossas vidas. Seja com a família, no ambiente de trabalho, na vida pessoal, etc., eles são:

– Ter um OBJETIVO definido

FOCO

DISCIPLINA de execução

Primeiro, vamos falar um pouco sobre as diferenças entre SONHO, OBJETIVO e META.

Vou partir da premissa que todos nós, devemos ter objetivos a alcançar na vida, sonhos a serem realizados, etc., por que sem isso, perdemos o sentido da vida, o entusiasmo, a força para realizarmos coisas, vivemos como robôs, zumbis, numa rotina maçante que nos tira toda a energia. Sem isso, não temos motivos para agir, para dar o próximo passo, sair do lugar.

No filme “Alice no País das maravilhas”, em certo momento acontece o seguinte diálogo:

Alice: Para que lado fica a saída?

Gato: Depende. Para onde você quer ir?

Alice: Não sei. Estou perdida.

Gato: Então tanto faz, qualquer caminho serve.

Isso ilustra bem o que descrevi acima Se não temos objetivos, metas, sonhos a serem realizados, tanto faz para onde vamos, o que fazemos, etc.

Tudo fica sem motivo, sem razão.

Partindo da premissa de que todos devemos sonhar, vamos falar um pouco sobre o que é sonho. Sonho é a manifestação de um forte desejo de fazer, ter algo. Geralmente, começamos a “sonhar acordados” durante a adolescência. Alguns de nós perde a capacidade de sonhar, ao longo do tempo, em função da rotina maçante, do stress, dos problemas cotidianos e alguns outros, continuam sonhando até a velhice, ,mas infelizmente, a maioria não toma qualquer ação para realizar seus sonhos.

É comum ouvirmos coisas do tipo:

“Meu sonho é morar numa casa grande, num bairro bem legal!”

Veja, isso é a manifestação de um desejo, de morar numa casa grande e num bairro legal, mas não especifica absolutamente nada além disso. Parece algo abstrato, distante, pois não define nem o tamanho da casa, nem o que seria um bairro legal. Chamemos a isso de sonho, ou manifestação de um desejo.

Qual a diferença disso para OBJETIVO?

Quando defino um objetivo, a partir desse sonho ou desejo manifestado, seria mais ou menos assim:

“Quero morar numa casa de pelo menos 300m2, no bairro do Morumbi em São Paulo, que tenha pelo menos 4 dormitórios e 4 vagas na garagem”

Dá pra notar a diferença da definição acima e da manifestação do desejo de morar numa casa grande descrito antes?

Isso pode ser considerado um OBJETIVO.

Qual a diferença de OBJETIVO para META?

Quando se estabelece uma meta, se quantifica, temporiza, coloca-se um “alvo”, um prazo a ser atingido. Explico:

Continuando no caso da casa, vamos estabelecer a seguinte META:

No prazo máximo de 3 anos, a partir de agora, estarei morando na minha casa, com as características descritas acima, no bairro do Morumbi.

Veja que nesse caso, eu estabeleci um prazo para atingir meu objetivo e assim, realizar o meu sonho ou desejo manifestado.

O próximo passo, seria definir o como atingirei essa meta, mas ai, já esteremos falando de PLANO, que deverá ser assunto para um outro post.

Uma vez que já manifestei meu desejo, baseado nele defini um OBJETIVO e uma META a ser cumprida, chegou a hora de falarmos de FOCO.

O que é FOCO?

FOCO é o que nos permite concentrar, direcionar nossas energias, nossas forças, direcionar todos os nossos recursos disponiveis, sejam eles físicos, financeiros, intelectuais ou emocionais, para atingir nosso objetivo e consequentemente, realizar nosso sonho.

FOCO é o que nos dá energia para colocarmos de lado as distrações que nos assolam diariamente e voltar novamente nossas energias para cumprir a META estabelecida. Exemplo:

Imagine que durante a sua jornada em prol do seu objetivo, surge uma daquelas oportunidades mirabolantes, trazida por algum parente, amigo ou mesmo por algum App ou site que você acessa, falando sobre um apartamento em Santos-SP a 2 quadras da praia, por um preço muito abaixo do valor de mercado. Embora, possa parecer uma oportunidade excelente, lembre-se que sua META é atingir o OBJETIVO de morar na sua casa no Morumbi em no máximo 3 anos. Se você estiver realmente focado, determinado, você considerará essa oportunidade uma distração e a colocará de lado, voltando novamente sua atenção para o que é necessário para atingir seu OBJETIVO.

“Quem tem FOCO, faz o que tem que ser feito e não o que quer fazer!”

Ok. Agora que você já manifestou seu desejo, definiu um OBJETIVO, estabeleceu um META para atingi-lo e definiu que vai colocar todo o seu FOCO nisso, chegou a hora de falarmos sobre DISCIPLINA de execução.

É isso amigos. Sem ação, sem execução, nada acontece. E sem disciplina para executar aquilo que tem que ser feito, continuamente, consistentemente, nada acontece. É a ação que nos permite materializar qualquer coisa. Exemplo:

Você precisa definir, escrever e executar algumas ações básicas que se não o fizer, pode ser que a oportunidade bata à sua porta e você não esteja preparado para agarrá-la, tais como:

Definir em que região do bairro do Morumbi você quer morar. Numa rua ou quadra específica?

A casa pode ser germinada ou tem que ser totalmente isolada dos lados?

Você quer o sol banhando a sua sala pela manhã ou no final do dia?

A casa deve ter jardim?

Qual o valor médio de um imóvel com essas características nesse bairro?

Qual o valor máximo você está disposto a pagar para realizar seu sonho?

Vale a pena fazer financiamento?

Quais as melhores taxas de financiamento imobiliário do mercado?

Quais as imobiliárias que oferecem os melhores imóveis nessa região?

Quando você começará a visitar imóveis e com qual frequência?

 

Veja que são coisas, definições, ações aparentemente simples, mas se você não definir, escrever, executar, corre o risco de não realizar absolutamente nada.

Se você se propuser a estabelecer OBJETIVOS de curto, médio e longo prazo, estabelecer METAS agressivas para atingì-los, mantiver o FOCO e a DISCIPLINA de execução do seu plano, o sucesso é garantido.

Pode acreditar!

Um abraço e até o próximo post.

Você é um profissional REPOLHO ou ROSA?

Profissional Repolho ou Rosa?

REPOLHO ou ROSA?

É claro que esse post não se trata nem de comida, nem de decoração.

O REPOLHO representa o profissional apático, desiludido, parado no tempo, enquanto que a ROSA representa o profissional entusiasmado, antenado, cheio de energia positiva e aberto ao novo.

Vi essa metáfora em um vídeo de palestra e achei interessante. O Repolho nasce com as pétalas abertas e vai se fechando com o tempo.

O profissional REPOLHO é aquele que acha que já sabe tudo, está com a mente e o coração fechados para coisas novas, novos aprendizados, novos conhecimentos e via de regra, novos relacionamentos. Esse é o profissional que por vezes alardeia seus muitos anos de experiência, mas na verdade, mal sabe ele que o que tem é muitas vezes o MESMO ANO de experiência.

Ao contrário do repolho, a ROSA nasce fechada, tímida, e vai se abrindo com o tempo, até se tornar algo maravilhoso. Assim é o profissional ROSA, que chega tímido, até meio retraído, desconfiado, mas que com o tempo vai abrindo a mente, vai buscando novos conhecimentos, novas habilidades, novos relacionamentos e com isso vai criando uma camada de aprendizado, experiência, e com o tempo vai se abrindo e compartilhando aquilo que adquiriu com os colegas, familiares, com as pessoas à sua volta, contribuindo para mudar seu mundo e o mundo a sua volta.

E isso é prazeroso.

Para identificarmos se somos mais REPOLHO ou ROSA, é necessário um exercício de autoconhecimento. Isso é o começo de tudo.

É comum ouvirmos pessoas ao nosso lado falar assim:

“Eu me conheço! Sei como funciono.”

Na maioria das vezes isso é verdade nosso comportamento em certas situações a alguns dos nosso hábitos enraizados na alma, vontades, etc.

Mas é difícil encontrar alguém que faça uma avaliação sincera, profunda de si mesmo.

Para que possamos evoluir em qualquer área da nossa vida, é necessário que se dê o primeiro passo. E o primeiro passo é saber aonde estamos. Dificilmente saberemos aonde estamos realmente, sem um exercício profundo de autoconhecimento.

Uma vez identificado efetivamente em que ponto nos encontramos, devemos saber aonde queremos chegar. Isso para qualquer área da nossa vida que queiramos evoluir, mudar, enfim…

Após identificarmos em que ponto efetivamente estamos e aonde queremos chegar, é necessário que tenhamos claro o caminho a percorrer, as ferramentas necessárias, etc.

É tão simples quanto parece:

O QUE, QUANDO, ONDE e COMO queremos alcançar.

Isso é muito mais difícil, mais doloroso, para o profissional que tem um perfil mais REPOLHO, ou seja, mais fechado, que acha que já sabe tudo, que acha que tem a experiência necessária para qualquer coisa.

É menos complicado e menos doloroso para o profissional que se identifica mais com o perfil ROSA. Mais aberto para novos aprendizados, para tomar novos caminhos, para conhecer novas pessoas, para reconstruir o que quer que seja.

Um exemplo de que temos que manter sempre a mente aberta, se quisermos prosperar em qualquer área de nossas vidas, Antony Robbins, um dos palestrantes motivacionais mais requisitados e bem pagos do mundo, multimilionário, requisitado por celebridades, empresários, governantes, militares, etc.,

Tony Robbins, como é conhecido mundialmente, supostamente já sabe tudo no seu campo, porque ele foi quem levou o mercado de palestra motivacionais à estratosfera, lotando estádios, etc.

Tony Robbins, de 56 anos de idade, acabou de iniciar um projeto de PODCAST, porque ele disse que ficou maravilhado com a possiblidade de expandir sua mensagem a mais e mais pessoas e percebeu que não estava explorando corretamente todos os canais de distribuição de conteúdo.

Você acha que o Tony Robbins é profissional REPOLHO ou ROSA?

E você?

Se identifica mais com o quê?

REPOLHO ou ROSA?

Já fez sua autoanálise sincera?

Um abraço e até o próximo post.

Tempo: Como você investe ou desperdiça o seu?

Tempo: Saiba aproveitar o seu!

O que você faria se tivesse 5 horas a mais de tempo livre todos os dias?

Toda vez que vou estudar alguma coisa a respeito de como as pessoas utilizam esse bem tão precioso, que é o tempo, fico estarrecido!

Li uma pesquisa do IBGE, publicada pela revista Exame no ano passado, falando que o brasileiro passou em média, 5 horas em frente à TV, o que fazendo conta de chegada, significa cerca de 2,5 meses por ano.

2,5 meses por ano!!

Significa que se você começou a ver TV com 5 anos de idade, seguindo essa média, aos 50 anos, você terá desperdiçado 9 anos de sua vida em frente à televisão!

Ainda de acordo com a pesquisa, o que mais chama a atenção do brasileiro são novelas, minisséries, esportes, filmes e reality shows.

É absolutamente lamentável!!

Imagine que em 2014 foi pior. O Brasileiro passou 3 meses do ano em frente a TV!

Não bastasse isso, pesquisa divulgada no ano passado diz que em 2014, 70% da população brasileira não leu 1 Livro sequer. Significa que 140 Milhões de pessoas, não leu 1 livro sequer durante o ano inteiro, enquanto os indianos dedicam cerca de 10hs e 40 minutos semanais à leitura.

Mas, nesse caso vou me abster de fazer comparações com outros países, inclusive com nossos “hermanos” Sulamericanos.

É triste ver as pessoas seguindo na vida igual a zumbis, parecendo mortos-vivos, sem fazer nada para mudar. Vejo pessoas reclamando do trabalho, dos impostos, do transporte, do salário, da qualidade da educação e nesse caso específico, na maioria das vezes, sem sequer ter condições de avaliar se realmente a qualidade é baixa ou não.

Pense agora no que você faria com 5 horas livras a mais por dia e comece já!

Saia da frente da TV!

Não, não sou nenhum tipo de bitolado que fica só lendo. Também assisto TV. Embora confesso que a mais de 10 anos, não assisto jornais, noticiários, novelas, etc. Procuro escolher um pouco melhor o conteúdo que consumo desse veículo de entretenimento e que na maioria das vezes se coloca como veículo de informação. NÃO É!

A TV não informa. A programação da TV é feita para te vender e não para te informar!

Não bastasse o tempo em frente à TV e o diminuto tempo de leitura, ainda tem um percentual do tempo navegando na Web. Nesse caso, se você souber aproveitar o tempo em que está acessando a Internet, você pode sim, ter conteúdo de altíssimo valor, para absolutamente qualquer tópico que você queira aprender, conhecer melhor, etc.

Algumas dicas de como aproveitar melhor o seu tempo:

Imagine que você queira melhorar o seu conhecimento de uma área específica. Vendas por exemplo.

Se você se propuser a ler 10 páginas de 1 livro por dia, digamos que você não tenha desenvolvido o hábito da leitura e acha super chata essa atividade, talvez você leve cerca de 30, 40 minutos?

Mesmo assim. Daquelas 5 horas em frente à TV, ainda sobraram mais de 4 horas. No entanto, se você se propuser a fazer isso, além de desenvolver um hábito super importante, você terá lido 1 livro de cerca de 300 páginas por mês e consequentemente, 12 livros durante o período de 1 ano. Se você concentrar seus esforços de leitura na área de interesse, no caso vendas, terá aprendido mais do que num MBA, ao longo de 1 ano.

Pense nisso!

São apenas 10 páginas por dia!

Imagine ainda que você queira testar a teoria do Josh Kauffman e desenvolver uma nova habilidade em apenas 20 horas. Segundo a teoria, se você estudar qualquer assunto, 40 minutos por dia, durante cerca de 30 dias, você terá aprendido sobre o assunto. Mas, se além de estudar, você praticar o assunto por mais 40 minutos, todo dia, você se tornará bom no mesmo. Com tudo isso, ainda sobrou tempo, bastante tempo para ficar em frente a TV.

Você pode investir um pouco mais num curso online, que pode ser de inglês, uma pós-graduação, etc.

E ai?

Vai investir ou continuar desperdiçando o seu tempo?

Um abraço e até o próximo post.

Mudança: Seja a mudança que você quer ver!


Planejamento!

Já planejou suas mudanças para o ano de 2016?

Existe uma diferença abissal entre “DESEJAR” mudar e ter um plano para efetivar a MUDANÇA que você quer!

Ví um meme com um dos minions, os famosos bonequinhos amarelos do Filme Meu Malvado Favorito que dizia alguma coisa como:

Vou comprar um caminhão báu, porque tem tanta gente dizendo que esse é o ano da mudança, que vou ganhar bastante dinheiro!

Parece engraçado, não e mesmo?

Mas infelizmente, é engraçado e verdadeiro!

Começa pelo fato de que a maioria das pessoas atribui a mudança em sua vida, ao ano, ao momento do mundo, aos giros do universo, às forças ocultas, enfim, a tudo que se vê à volta, menos a elas mesmas.

Então, vamos começar com a seguinte pergunta:

Porque ao invés de planejar o ano de 2016, você não planeja você?

Isso mesmo. Planejar você. Sua mudança!

Quem e o que você quer ser esse ano?

Que tipo de trabalho, contribuição você quer fazer/dar para as pessoas a sua volta?

As promessas de ano novo sempre começam com coisas do tipo:

– Esse ano vou emagrecer

– Esse ano vou ler mais

– Esse ano volto a estudar

Digo promessas porque via de regra, não tem sequer a definição do que realmente se quer fazer e muito menos um plano para executar.

Comece por uma definição clara do que efetivamente você quer alcançar de resultado, como por exemplo:

Mudança: Perder peso!

“Esse ano, no período de Janeiro a Dezembro, vou trabalhar para reduzir meu peso em 10 Quilos. Para isso, vou mudar minha dieta, comer frutas, verduras e legumes todos os dias, me exercitar no mínimo 3 vezes por semana e reduzir o consumo de bebida alcoólica, passando a beber apenas 1 vez por semana, que será as sexta-feiras.”

A declaração acima é algo mais próximo de ser alcançado, porque você especifica o que quer alcançar e como, quais ações/estratégias você vai executar para atingir esse objetivo.

Mudança: Esse ano vou ler mais!

O problema está exatamente ai. Ler mais o que?

O fato de se estar falando que quer ler mais, pressupõe-se que você gosta de ler e portanto quer aumentar a assiduidade com que você faz essa atividade. Então, partindo do principio que você já lê alguma coisa, gosta e quer praticar isso com mais frequência, nos leva as seguintes questões:

– Quanto livros você gostaria de ler por ano, mês, etc.

– Que tipo de livros você gostaria de ler?

– Você procura aumentar seu conhecimento em alguma área através da leitura ou é só para relaxar, descontrair?

O planejamento, mesmo que de coisas que parecem bem simples como as listadas acima, é necessário, porque te dá um norte, um direcionamento. A partir desses pontos, se você realmente estiver interessado nos tópicos, e se dedicar, isso vai te trazer um resultado diferenciado, o que te deixará mais entusiasmado para planejar outras áreas da sua vida.

Então, faça diferente esse ano e planeje quem você quer ser, em que áreas da sua vida você quer agir diferente e como. Defina claramente quais objetivos você quer atingir e como você fará para atingi-los.

Para completar, mais uma dica:

Crie a disciplina de todos os dias, tomar pelo menos 3 ações que te ajudarão a cumprir os objetivos traçados por você.

Exemplo:

Se você tem como objetivo ler pelo menos 1 livro por mês esse ano, se você tomar a ação de ler 10 páginas de 1 livro todos os dias, você terá lido um livro de 300 páginas todos mês, o que é excelente e te ajudará a cumprir a sua meta de ler 1 livro por mês.

Pense em 3 ações simples, para executar todos os dias, que estejam relacionadas com os objetivos traçados por você e você verá que sua vida vai mudar radicalmente.

Agora a dica de 1 milhão de dólares: Se você não tomar ação, agir todos os dias, nada vai acontecer!

Um abraço e até o próximo post!

Aprender como aprender, um desafio.

Aprendendo a aprender

Aprender… e aprender, ou aprender a aprender?

Tenho refletido bastante sobre nossos processos de aprendizado. O que aprendemos, como aprendemos, como utilizamos nossas experiências cotidianas e o ambiente ao nosso redor para aprender.

Vemos técnicas, procedimentos para gerenciamento de contéudo corporativo, gerenciamento do conhecimento corporativo, etc.

Mas e sobre o “gerenciamento” do nosso conhecimento?

E sobre o gerenciamento do nosso processo de aprendizado, de reciclagem?

Geralmente o ser humano comum, é compelido a aprender coisas novas, adquirir novas habilidades, em momentos de ruptura, de dificuldades. Somente nos momentos em que se é desafiado é que se toma as ações necessárias para mudar a situação ou o contexto atual.

Quando crianças, aprendemos a maioria das coisas observando as pessoas à nossa volta, os costumes, as atitudes, os “procedimentos”, os “processos”, etc. Quando “crescemos”, literalmente “formatam” o nosso modelo de aprendizado e a partir daí, qualquer coisa que esteja fora desse formato, é considerado fora do “padrão” ou fora do normal. Na verdade, no discurso, ouvimos muito sobre “pensar for a da caixa”, mas na verdade, pensar fora da caixa, não é algo muito incentivado, nem dentro das empresas, nem nas comunidades, nem pelos pais.

Na verdade, muitas vezes “falamos” que queremos pessoas pensando “fora da caixa” mas se prestarmos atenção, estamos sempre incentivando as pessoas a pensarem muito mais fora da “caixa” delas e muito mais dentro da “caixa dos padrões” que adotamos, que aprendemos, etc.

Temos um cenário onde quem precisa de informação, não quer mais nem saber de fazer pesquisa, basta fazer uma “busca” no Google e pronto. A maioria não se preocupa nem mesmo em validar a informação, a fonte, comparar com outras fontes, etc.

Google » Search » Copy » Paste » Done!!

Do lado dos educadores, me parece que temos muitos professores, mestres, doutores pregando a mesma coisa de 30, 40 anos atrás. Não se recicla o conteúdo, não se recicla a forma, não se recicla o método. Completei minha graduação em Matemática no ano de 1994 e lembro bem de ter questionado a um dos meus professores, qual a aplicação pratica, no meu cotidiano, das derivadas ou mesmo de integral tripla. A explicação foi mais ou menos assim:

“Você pode utilizar derivada para calcular a melhor distância entre dois carros no trânsito, por exemplo!”

No que de respondi: “Professor, isso o Detran já me dá pronto e aliás, sou obrigado a utilizar, por força da lei!“.

Fui repreendido!

Isso foi a 20 anos e vejo que provavelmente, nos cursos de exatas, os alunos continuam a receber como ensinamentos, as mesmas matérias. Não estou dizendo com isso que sou dono da verdade ou que temos que simplesmente eliminar essas matérias dos cursos de exatas, mas sim, que podemos rever a forma como ensinamos com novas aplicabilidades, de forma que possamos atrair e reter o consumidor dessa informação, que é o aluno. Certamente isso não ocorre somente nos cursos de exatas.

Além de querermos impor aos estudantes, conteúdos ou materias que precisariam no minimo ser contextualizadas, ainda o fazemos sem o uso adequado da tecnologia, que se utilizada de maneira correta, pode efetivamente tornar a matéria /assunto mais atraente e engajar o aluno. Devemos lembrar que o triangulo de pascal, não foi criado para ser aplicado em provas, mas sim, para ajudar as freiras do convento onde Pascal terminou os seus dias a ecnomizar couro, material utilizado por elas para confecção de bolsas e sapatos, ou seja, para aplicação prática.

Além de contextualizar, porque não utilizar as várias ferramentas gratuitas no contexto da educação, para compartilhar conteúdo, para incentivar a criação de fóruns de discussão entre os alunos, para mostrar como utilizar as ferramentas de buscas de maneira inteligente e para buscar conteúdo relevante?

Porque não inserir na rotina dos alunos buscas no Khan Academy, Youtube Education, Fundação Lehman, utilizar ferramentas de nuvem para armazenar e compartilhar conteúdo de maneira otimizada e inteligente?

Não estou falando de redes sociais, mas de ferramentas que podem efetivamente tornar o ato de estudar mais atraente para o aluno.

Vejo que algumas escolas até incentivam a utilização desses recursos por parte do aluno, mas o que estou sugerindo aqui e inserir a utilização dessas ferramentas na rotina diária do professor, durante as aulas.

Obvio que para isso se faz necessário uma reciclagem no modelo de ensino, no treinamento e preparação dos professores, mudança de hábitos, adaptação, etc.

Acredito que talvez o primeiro passo a ser dado, é buscar gradativamente mudar pelo menos a plataforma de ensino, de analógica pra digital, sem rupturas. Dessa forma, obrigatoriamente as adaptações e mudanças de hábito ocorrerão e novas mudanças poderão ser inseridas aos poucos, sem causar danos e transtornos nem para os alunos nem para os professores.

É importante que o professor entenda que ele continuará sendo o Mestre, que o seu conhecimento, continuará sendo soberano, o que acho que tem que acontecer é simplesmente mudar a forma de passar esse conteúdo, esse conhecimento. Acredito que seria muito bom que os professores ouvissem/lessem um pouco sobre as propostas revolucionárias do empresário Ricardo Semler. Ouvir as propostas, sem pré-julgamento, sem rótulos, com objetivo de extrair delas coisas boas e que auxiliem nessa mudança que a meu ver é absolutamente necessária, para que possamos ter efetivamente um engajamento dos alunos no processo de aprendizado.

Um abraço e até o próximo post.

Como você aproveita seu tempo livre?

Acho que a melhor forma de começar esse texto é com a pergunta:

O quê você considera tempo livre?

Li o livro do Abilio Diniz, fundador do Grupo Pão de Açúcar e em uma passagem do livro ele fala que ter liberdade, na verdade é ter total controle sobre a agenda. Não sei se concordo plenamente, mas certamente, não discordo.

Estou eu aqui, na espera de um pronto socorro, por quase 2 horas e navegando entre uma coisa e outra. Lendo artigos no LinkedIn Pulse, olhando meu Gmail quando literalmente “popam (de pop up)” notificações no tablet e desviando minha atenção para os emails corporativos que são notificados no meu smartphome.

Isso significa que não estou com a mente descansando ou simplesmente vagando, o que seria quase impossível, dado o local onde me encontro, mas ao mesmo tempo, não estou necessariamente focado em nada, porquê estou com a atenção sendo desviada a todo momento.

No ritmo atual em que vivemos, é quase impossível termos “tempo livre”, porque a miríade de informações a que somos submetidos, bem como as interrupções constantes nos trazem essa sensação de estresse constante e também, certa angustia. Muitas vezes, me sinto improdutivo, embora tenha a sensação de não parar 1 minuto sequer. A sensação de improdutividade, traz frustração e obviamente, mais stress. Tenho convicção de que embora sofra constantes interrupções, é responsabilidade minha organizar minha agenda e priorizar minhas atividades de maneira que possa claramente cumprir com minhas atividades e me tornar produtivo, de maneira que possa definitivamente eliminar essa sensação de frustração e todos os malefícios advindos dela.

Mas que é difícil se preparar física e mentalmente para isso, ah, isso é.

E olha que estudo assuntos como produtividade, gestão do tempo/atividades, poder da mente, etc., a mais de 10 anos, o que não desenvolvi ainda foi a disciplina necessária para fazer isso de maneira constante e consistente

Alguma dica?

© 2017 Evento Motivador

Theme by Anders NorenUp ↑